Home Análises The Park – Análise do jogo

The Park – Análise do jogo

Compartilhe

The Park conta em menos de 2 horas uma história cruel em um ambiente aterrorizante em primeira pessoa, criado pelos desenvolvedores do MMO The Secret World e também baseado nos mistérios e mitos encontrados nesse jogo, The Park leva o terror aos parques de diversão.

No jogo você é Lorraine a mãe do pequeno Callum, ela volta ao parque de diversões Atlantic Island Park depois do expediente junto com o garoto para localizar o seu ursinho perdido, logo na entrada Callum corre na frente e começa a apressar a mãe, Lorraine começa a correr atrás do garoto, mas não consegue alcançá-lo, entrando no parque algo sinistro acontece, todo o ambiente fica obscuro, decaído e macabro, algo estava errado. A mãe agora preocupada passa a procurar não o ursinho, mas sim o próprio filho.

ambiente sinistro de The Park
O ambiente anteriormente normal se torna sinistro.

A partir do momento em que o parque se transforma, é como se você estivesse em um pesadelo e nos pesadelos nada é como a realidade, para achar o filho a mãe agora deve não somente visitar cada brinquedo do caminho em busca de pistas, mas sim suas próprias lembranças e memórias, durante sua busca, mensagens deixadas no local abandonado contam acontecimentos trágicos nas atrações do parque e uma figura monstruosa conhecida como bogeyman se revela, uma visita que poderá tirar a sua solidão, mas que irá aumentar ainda mais o seu medo.

a criatura de chapéu em The Park

Apesar do jogo ter um visual agradável notei que faltou uma preocupação nas mensagens deixadas no cenário, no caminho você encontra papéis ou livros, ao selecioná-los para ler nenhuma legenda com o texto aparece, você as vezes tem que chegar bem perto da tela para conseguir enxergar as pequenas letras, o mesmo pode ser dito para o sistema de manipulação dos objetos, é muito complicado e estranho virar os itens selecionados usando o mouse. Os loadings no início e em mudança de cenários podem ser um tanto quanto irritantes para quem não tem paciência.

documentos do jogo The Park
O zoom não é uma opção em The Park

Durante a história você encontrará referências a um famoso conto de fadas; João e Maria, é interessante como a versão macabra deste conto se encaixa com o jogo. No entanto, a conclusão da história foi bem previsível e os momentos de sustos não foram tão intensos como poderiam ser.

joão e maria no jogo de terror the park

Você pode chamar por Callum ao clique de um botão e quanto mais você progride na história, mais a voz da personagem principal fica mais dramática e intensa.

Uma parte que merece destaque é quando o cenário começa a se repetir a cada vez que você entra nele, algo que te faz lembrar do teaser jogável de Silent Hills o P.T, a cada vez que você visita o local é como se Lorraine estivesse visitando dias de sua vida, não há cenas de flashback mostrando todos acontecimentos, mas tudo pode ser imaginado com a forma com que os móveis e objetos deixados na casa estão, esse é o momento mais intenso e interessante do jogo, a personagem passa a se lembrar de algo que não gostaria.

o corredor repetitivo de the parkDurante a gameplay você irá se deparar com pequenos clipes de cenas e apesar de ser um jogo em primeira pessoa é possível nesses momentos ver o rosto de seu personagem, o mesmo não pode ser dito se você tentar ver seu reflexo pelo espelho.

Os clichés de filmes e jogos de terror que muito aprecio também estão presentes em The Park, momentos como portas que se abrem sozinhas, bichos fofinhos com intensões nada fofas, sangue por toda parte e mensagens distorcidas.

Você encontrará The Park para download na página da Steam do jogo clicando aqui.

Não se esqueça também de curtir a Fã Page do site e se inscrever no canal do Youtube.

Distribuição dos pontos
Gráfico
7
Gameplay
6
História
6
Som
7
Compartilhe
Artigo anteriorMinecraft Story Mode: Episódio 2
Próximo artigoFNAF 4 Halloween Edition

Deixe um comentário